5G e as novas possibilidades para as marcas

Eu sou millennial. Surgi no mundo em abril de 1989, apenas 3 anos antes do lançamento do protocolo World Wide Web, o famoso e agora dispensável “www” nas urls. Não sou o único que vi as várias mudanças que ocorreram ao longo desses anos. Tantas outras gerações presenciaram os enormes celulares dos anos 80/90 (tecnologia 1G), o surgimento dos aparelhos que bombaram de enviar SMS (2G) e, por fim, a internet móvel pra valer (3G e sua singela evolução, o 4G). Agora, estamos na fronteira de um novo território na área da comunicação sem fio: o 5G, tecnologia que já é aplicada em 5 países no mundo – Coreia do Sul, Estados Unidos, Suíça, Reino Unido e Espanha -, ainda que disponível em apenas algumas cidades. No Brasil, a previsão é de que o lançamento da nova rede ocorra em 2023.
 
A principal expectativa desse tal de 5G tem a ver com uma coisa que já é falada há tempos, e que tem o termo “coisa” no nome: a internet das coisas. Lembra? Aquela previsão de que objetos corriqueiros seriam amplamente conectados, auxiliando os humanos em situações que vão desde a compra do mês até evitar acidentes de carros? Pois é. É exatamente por isso que o buzz em torno do 5G é tão alto. Apesar de já existirem algumas conexões desses objetos na atual rede 4G, a nova tecnologia vai permitir velocidades maiores – em testes, o 5G foi 140 vezes mais veloz do que o 4G -, o que amplia o leque de opções para a internet das coisas.
 

O que já está sendo feito com o 5G

Antes de chegarmos em como as marcas poderão se beneficiar dessa nova conexão, existem alguns exemplos que já estão ativos pelo mundo, mostrando o potencial dessa tecnologia (que ainda está engatinhando):
 

Câmeras conectadas no 5G salvando vidas

Uma das aplicações da tecnologia foi feita na cidade de Bristol, no Reino Unido. Segundo reportagem da BBC (publicada em abril de 2019), duas pessoas conseguiram ser salvas de afogamento graças à tecnologia 5G. Para entender melhor sobre como isso aconteceu, vamos primeiro ao problema da cidade: geografia e bebedeira. Bristol é banhado pelo Canal de Bristol, braço de água marítima no sul da Inglaterra. Lá, é comum o consumo excessivo de álcool. As duas coisas, juntas, mataram 31 pessoas entre 2012 e 2017. Para uma cidade considerada como modelo, isso é muita coisa.
 
Com as câmeras conectadas à tecnologia 5G, os bombeiros da cidade puderam agir em tempo hábil o suficiente, tudo graças à velocidade da transmissão da rede.
 

Possibilidade de cirurgia remota

Em testes realizados – principalmente pela Nokia, uma das marcas pioneiras nos testes da nova rede -, a velocidade do 5G possibilita algo novo para a medicina. Com o tempo de resposta curtíssimo é possível transferir sensações de toque de um robô para uma pessoa (que esteja utilizando um equipamento também conectado à rede). Isso abre espaço para que cirurgias de alta precisão sejam realizadas remotamente: é possível que o médico sinta os tecidos do corpo sem nem estar, fisicamente, numa sala de cirurgia.
 


 

Características do 5G e como poderão influenciar a comunicação

Apesar de mais potente, o 5G traz pequenos empecilhos no meio do caminho. Um deles é relativo ao alcance das faixas de sinal: para permitir velocidade superior, a frequência das ondas é muito maior, e sua capacidade de chegar a grandes distâncias é reduzida. Isso significa que, para um funcionamento estável onde quer que você esteja no futuro, será necessário uma quantidade maior de antenas espalhadas por aí.
 
Apesar de ser um problema estrutural da implementação da rede, isso pode melhorar a comunicação através da geolocalização mais precisa que o 5G permite, fortalecendo as mensagens publicitárias para comunidades específicas.
 
O ponto da velocidade é outro que as marcas devem considerar para suas estratégias futuras. Além da possibilidade de explorar páginas mais pesadas com conteúdos mais complexos (realidade virtual e realidade aumentada, por exemplo), as respostas também deverão acompanhar essa velocidade. Junte isso a aparelhos conectados, comandados em grande parte pela voz das pessoas, e uma nova era de chatbots mais inteligentes e dinâmicos se mostra no horizonte, com maior velocidade de resposta e maior capacidade de machine-learning.
 

Fake news sobre o 5G

Para finalizar, gostaria de alertar sobre a quantidade excessiva de fake news que está circulando sobre a nova tecnologia. Assim como grande parte das novas invenções e mudanças, temos medo do que possa causar, mas é importante verificar bem as notícias antes de sair compartilhando por aí. Uma fake news divulgada, por exemplo, é a de que pássaros morreram em massa depois de um teste de 5G realizado na Holanda. Como mostra esse link, isso é uma mentira propagada por um youtuber conhecido por suas teorias conspiratórias malucas, e que não apresentou nenhuma evidência sobre o caso. Hoje em dia, o próprio youtuber voltou atrás, desmentindo sua versão sempre que ela volta à tona na internet.

Agora, só nos resta esperar pela implementação da tecnologia em nossas terras tupiniquins. O leilão das faixas de transmissão da rede 5G está previsto para acontecer no segundo semestre de 2020, e a partir daí teremos uma previsão melhor sobre o lançamento oficial da tecnologia no Brasil. E você, o que espera para a sua marca nesse novo mundo de conexão?

Leandro Szoke
Gestor de conteúdo multimídia – GOGO Digital